Monday, November 1, 2010

BÍBLIA DO CULTIVO DE CANNABIS

Escolhendo e Obtendo Sua Espécie Desejada

É muito importante começar sua plantação de maconha com uma boa genética. O que é boa genética? Só você pode dizer. Você prefere uma onda forte, sedativa, que te coloca pra dormir? Ou você quer voar alto numa euforia cerebral que te deixe confuso e nas nuvens?? Ou talvêz um pouco de cada?

Existem três espécies distintas de variações da planta de marijuana. Essas três variações incluem Cannabis Sativa, Cannabis Indica e Cannabis Ruderalis:

Cannabis Sativa é uma planta difícil de criar em lugar fechado devido a grande necessidade de luz, alta estatura e florescimento tardio. Sativas são originárias das regiões equatoriais, daí sua maior necessidade de luz e um clima tropical quente. É possível identificar a Sativa por suas folhas longas e finas como dedos. A Sativa tipicamente produz uma onda euforicamente energética e cerebral. Apesar das limitações climáticas das Sativas, elas são realmente uma grande recompensa para quem as obtém, planta e fuma. Uma Sativa pura pode levar de 2 a 4 meses para florescer.


Cannabis Indica é uma planta ideal para plantio tanto em lugares fechados como a céu aberto, devido a sua menor necessidade de luz e baixa estatura, também oferecendo resistência a fungos e pestes, tendência a maturação precoce e densa produção de flores.Indicas são originárias de climas mais frios, exibindo características descritas à cima pela sua aclimatação ao ambiente nas quais foram criadas. Sua baixa estatura e folhas extremamente largas as fazem de fácil identificação. Uma indica geralmente produz uma onda forte e exaustiva, sedativa; podendo levar entre 45 e 60 dias para o término do florescimento.


Cannabis Ruderalis não é uma boa escolha tanto pra plantio interno quanto externo. Apesar da baixa estatura (chegando no máximo a 1,5m) e maturação rápida, as Ruderalis não produzem nem a quantidade nem a qualidade que se procura no florescimento. Uma pequena redução no ciclo luminoso, pode desencadear florescimento em uma planta precoce com 2 a 3 grupamento de folhas. Apesar disso a produção das Ruderalis não pode ser comparada com as subespécies tanto das Sativas, como das Indicas.

Existem também plantas feitas de cruzamentos entre as espécies, chamadas híbridas:

Híbridas podem carregar o melhor das variedades de cannabis, proporcionando tanto no tipo de onda como nos padrões de crescimentos e seus traços genéticos, apesar de algumas não conseguirem mantê-los. As Híbridas tem potencial para exibir ótimas características que se procura para plantio. Uma Híbrida bastante comum, tem uma onda forte, eufórica, energética, folhagem densa e de baixa estatura, fazendo dessa espécie de Híbrida uma ótima escolha para todo tipo de plantio e de sensações. Tudo é relativo a sua condições de plantio e de preferência pessoal de cada maconheiro.

Tente conseguir suas sementes de maconha online de bancos de semente renomeados. A melhor opção para brasileiros é comprar atravez do site Semente de Maconha.


http://www.sementemaconha.com/banner/sementemaconha768x90ii.gif


Iluminação

A luz é necessária à uma planta na transformação de nutrientes em alimento. Tem ainda uma grande influência na produção de clorofila, taxa de crescimento, tamanho de folha e produção de sementes. A luz se torna uma dos aspectos mais importantes em sua operação de plantio. Para o propósito do plantio de marijuana existem dois tipos básicos de luz; Fluorescentes e Descargas de Alta Intensidade (HID) – incluindo Vapor de Mercúrio (MV), Vapor Metálico (MH) e Vapor de Sódio (HPS)

HID x FLUORESCENTES

A diferença principal é que lâmpadas fluorescentes criam luz na passagem de eletricidade através de um vapor de gás de baixa pressão e HID criam luz na passagem de eletricidade através de um vapor de gás de alta pressão. HID são MUITO mais brilhantes e apesar de representarem um maior custo no começo, são mais eficientes na relação custo benefício e permitem uma melhor produção. Portanto, elas são a primeira escolha para a maioria dos agricultore em lugares fechados.

- FLUORESCENTES

Fluorescentes são encontradas nos mais variados formatos e tamanhos. Existem lâmpadas compactas, bulbos retorcidos e bulbos circulares. Todas trabalham da mesma forma. Elas possuem iniciador (starter) e reator embutido permitindo um envio regular e seguro de eletricidade para a luz. Antes das HID estarem disponíveis para plantio em lugares fechados, os plantadores usavam lâmpadas fluorescentes, que apesar de funcionarem durante todas as etapas de cultivo, não são aconselháveis para uso desta forma. Para plantio de forma efetiva com fluorescentes pense de forma pequena. Essas são lâmpadas indicadas para germinação, produção de raizes em clones e plantas pequenas, manter plantas mãe para propósito de clonagem e ainda prover iluminação lateral para o crescimento dos galhos inferiores. Essas situações não requerem uma luz de alta intensidade para se desenvolver. A luz emitida pelas lâmpadas fluorescentes é suave e mais difusa, não desprende uma grande quantidade de calor e não faz com que a planta trabalhe tanto. Por essa razão pode ser deixada próxima à planta. De três a cinco centímetros é o suficiente, porém devido a isso as luzes deverão ser ajustadas quase que diariamente, o que pode ser problemático.

- DESCARGA DE ALTA INTENSIDADE (HID)

Existem basicamente três tipos de HID. Vapor de Mercúrio (MV), Vapor Metálico (MH) e Vapor de Sódio (HPS). Essas lâmpadas também precisam de iniciador (starter) e reator.

Vapor de Mercúrio (MV) e o tipo de luz que era utilizados na iluminação das ruas no passado. Não é muito boa para plantio por não prover o espectro de luz correto. Enquanto ela produz um pouco do espectro azul, MV também produz muito calor para se deixar próximo a planta, sendo de operação muito ineficiente.


Vapor Metálico (MH)
é uma fonte muito boa de espectro de luz azul/branco o que é ideal para o crescimento vegetativo. Muitos plantadores usam MH durante a fase vegetativa. MH é brilhante e de operação custo eficiente, porém não tão eficiente quanto as lâmpadas HPS. As potências mais utilizadas são de 400 e 1000 watts. Trabalham melhor quando combinadas com lâmpadas HPS.


Vapor de Sódio (HPS) é a melhor escolha de lâmpada hoje em dia para plantio de marijuana. HPS são muito brilhantes e muito eficientes. Esse tipo de luz tem um espectro vermelho/alaranjado que é ideal para a fase de florescimento. Com o suficiente desse tipo de luz você também poderá cultivar aqueles "camarões" gigantes. HPS são encontradas em várias potências de 70 até 1000 watts.

FOTOPERÍODO

Suas plantas deverão ser iniciadas no período vegetativo em um regime de luz de 24/7 ou 18/6. A razão para o regime de 18/6 é para deixar um período de escuro para as plantas descansarem e também poupar a sua conta de luz. A maioria das plantas se exaure após 16 horas de luz por dia. Ajustes deverão ser feitos de acordo com a necessidade das plantas. Para o florescimento 12/12 é a norma. Novamente, ajustes poderão ser feitos. Um mínimo de 12 horas de escuro é requerido para ativar o florescimento.

ERROS MAIS COMUNS COM A ILUMINAÇÃO

Não queime as plantas ao coloca-las perto demais das lâmpadas. Fluorescentes não emitem muito calor e podem ficar cerca de 3 a 5 cm de distância. HID emitem muito calor e precisam ficar a uma distância razoável. Um bom teste é colocar as costas da mão entre planta e a lâmpada por algum tempo, se houver sensação de desconforto é porque a lâmpada está perto demais. Existem algumas lâmpadas comuns que podem induzir a germinação, mas são inúteis para propósito de crescimento. Essa lâmpadas são: Qualquer incandescente (normal), halógena, luz negra e de aquecimento. Não perca tempo tentando plantar com essas lâmpadas, você apenas se desapontará.


Fórmulas para Cálculo de Iluminação

Para determinar corretamente a melhor iluminação do seu espaço existem várias coisas que você deve saber. A esta altura algumas definições se fazem necessárias:

Lumens – Um lumen equivale a quantidade de luz emitida por uma vela que incide sobre 1 pé quadrado (square foot) de uma superfície a um pé (1 foot = 0,30m ) de distância.

Watts – A medida da quantidade de eletricidade fluindo através do fio. Watts por hora medem a quantidade de watts consumidas em uma hora. Um Kilowatt/hora (KWH) é 1000 watts/hora.

Para determinar o custo de operação da sua luz:
Descubra o quanto é cobrado por Kwh na sua conta de luz. Imagine que você tem uma lâmpada de 1000 watts e paga $ 0,5/hora. Se um kilowatts equivale a 1000 watts, você pagará 5 centavos por hora para manter a luz acesa. Outro exemplo. Digamos que você tem uma lâmpada de 400 watts e paga $0,3/hora. Divida 400 por 1000 = 0,4 e multiplique por 0,3 = $0.012 por hora de luz.

Para determinar quantos lumens por pé quadrado:
Você tem que achar a área do seu espaço. (largura X comprimento = pé quadrado) Divida a quantidade de lumens disponíveis pela medida em pés quadrados da sua área. Exemplo: Digamos que você tenha um espaço de 3 pés de profundidade por 4 pés de largura = 12 pés quadrados, e o total de lumens das suas lâmpadas é de 45.000 lumens. 45.000/12 = 3.750 lumens por pé quadrado

Agora para a grande pergunta. Quanta luz eu necessito? A tecnologia tem avançado tanto nos últimos 15 anos que nós estamos constantemente refinando o processo e atualizando o que sabemos que funciona melhor para o plantio. A teoria atual diz que o mínimo de luz necessária para sustentar o crescimento é de 2.000 lumens por pé quadrado. A média seria de 5.000 lumens por pé quadrado. O ideal seria 7.000-7.500 ou mais por pé quadrado.

Para determinar o quanto de luz você precisa em watts:
A regra geral para definir a quantidade de luz para uma área, é um mínimo de 30 watts por pé quadrado. 50 watts por pé quadrado e ideal. Você pode determinar a quantidade luz para a sua área usando essa fórmula: 30 watts (ou 50) X ? (sua área) em pés quadrados. Exemplo: Você tem uma área de 10 pés quadrados 30w X 10 s.f. = 300 watts/por pé quadrado ou 50 watts X 10 s.f. = 500 watts por pé quadrado (ideal). Lembre-se que lâmpadas fluorescentes são mais fracas e emitem menos luz que as HID. Isso significa que você precisará 5 vezes mais watts para igualar uma lâmpada HID. Então, 30 watts de HID seriam iguais a 150 watts de fluorescentes. Por isso é advertido que se utilize o mínimo de 30 watts por pé quadrado para luzes HID e um mínimo de 150 watts para Fluorescentes.

Isso tudo é muito importante pois a intensidade da luz irá afetar diretamente a qualidade e a produção de sua colheita. Se você tiver menos do que o ideal, sua colheita e potência serão reduzidas e os "camarões" não serão tão densos. Essa questão nunca é de mais repetir. Você deve ter a quantidade de luz certa para o seu espaço, para poder colher "camarões" de alta qualidade. A questão as vezes pode ser, "Posso ter luz demais?" A resposta básica é não. De acordo com a lei de retornos minorados, você poderia teoricamente alcançar um ponto onde as plantas não conseguiriam mais absorver a luz, porém seria impossível ter essa quantidade de luz em seu espaço. O calor se tornaria um problema bem antes de você atingir esse ponto. Então use quantas lâmpadas puder, apenas controle o calor.

Experimentação é o único método para determinar a melhor solução para cada planta. Se a planta não estiver recebendo luz suficiente, ela começará a crescer de forma desproporcional como se estivesse se esticando para buscar luz e a folhagem se torna verde pálida. Ou, se elas necessitam ser movidas para perto da luz, ou aumentado o período de exposição à luz, elas podem ter problemas como folhas e flores descolorindo ou queimadas. Folhas poderão se tornar super compactas e enroladas nas pontas.


Germinação

Então você está com as sementes em mãos. Agora você se pergunta o que fazer para começar o plantio. Se você comprou sementes de um banco reconhecido então você pode ter certeza que elas estão prontas para germinar, já que todas passam por um processo de seleção. Porém, se você descolou sementes que vieram no seu bagulho prensado, você deverá fazer algumas verificações simples para saber se as sementes são viáveis ou não. Uma forma de testar, é gentilmente apertar a semente entre o seu dedo indicador e o polegar. Se ela desmanchar, então não está boa. As brancas e secas estão imaturas e quebrarão com facilidade. As sementes verde escuro, verde ou marrom são mais aptas a germinar. Você não poderá destinguir o sexo da planta apenas olhando a semente. Existem algumas teorias por aí, porém não existe nenhum sinal físico característico nas sementes para se distinguir machos de fêmeas.

Alguns gostam de germinar usando métodos como o do papel toalha, antes de colocar no vaso. Isso é para assegurar que as sementes estão no ponto, mas se você desejar poderá plantá-las direto no solo. Para germinar em papel toalha, simplesmente coloque a semente entre duas folhas de papel toalha embebidas em água mineral ou destilada, dentro de um Tupperware ou recipiente com tampa. Deixe o recipiente em um lugar que aja propagação de calor, como em cima da geladeira ou do monitor do computador. Verifique varias vezes por dia e veja se as sementes estão rachadas e uma pequena raiz branca começou a surgir.

Após a germinação você verá uma pequena raiz branca saindo do meio da semente. Cave um buraco pequeno no solo (use um lápis para fazer um pequeno buraco). Quando estiver plantando a semente tenha certeza de que a profundidade do buraco não ultrapassa meio centímetro e só então coloque a semente dentro. Assegure-se que a raiz ou o lado pontudo da semente está apontando para o fundo ao colocar no solo. Cubra o buraco com terra solta (Não achate!) e mantenha a terra húmida (Não encharque!). Você deverá permitir pelo menos 10 cm de espaço vertical no fundo para a raiz crescer. Coloque uma semente por copo de 500ml ou vaso de 4 litros, e coloque-o embaixo das luzes. Comece com um ciclo de luz de 24/7 (24 horas ligada por 7 dias da semana). Você deverá ver os brotos de 2 a 14 dias dependendo das suas condições individuais e método de uso. Para resultados mais rápidos tente manter a temperatura em 26 graus Celsius. Você verá uma taxa de germinação menor com 21 graus Celsius, porém ainda assim é aceitável, a semente só levará mais tempo para brotar.

O broto emergirá com duas folhas primordiais (cotilédones). Essas folhas são pequenas, lisas e arredondadas e serão seguidas de um par de folhas serradas individuais. A distância da luz dependerá de qual tipo esta sendo usado por você. Se for fluorescente, coloque de 3 a 5 cm de distância de seu broto. Se for HPS ou MH ajuste de acordo com a temperatura, fazendo o teste da mão. Esses tipos de luzes costumam secar o solo rapidamente, fique de olho.

Atenção! Não coloque adubo ou fertilizante durante os primeiros estágios de crescimento. (primeiras 3 semanas) Esses estágios são muito frágeis, e não precisa muito para se cometer um erro fatal. Lembre-se assim como na sua vida, as plantas também precisam lidar com uma série de coisas ao mesmo tempo, quanto menos coisas você tiver que lidar menor a chance de problema. Mantenha a filosofia de menos é mais.


Crescimento Vegetativo e Florescimento

Assim que sua luz estiver ajustada e as folhas começarem a surgir, você estará entrando no período vegetativo. Só regue a planta quando o solo estiver totalmente seco até o fundo do vaso. Você poderá checar colocando o dedo em um dos buracos de drenagem no fundo, sentindo se está húmido, ou usando um medidor de humidade. Um palitinho de comida chinesa serve para teste improvisado, coloque-o até o fundo do vaso próximo a lateral para não acertar nenhuma raiz, e retire-o em seguida. Se a ponta que tocou o fundo voltar suja, ainda existe humidade no vaso. Deixe secar mais um pouco antes de regar novamente.

Talvez o melhor método seja esperar a planta dizer que quer água. As folhas ficam meio murchas com aparência de "sede". A razão deste método ser preferido, tem duas partes: 1- Você estará seguro de não "afogar" a planta e 2- Esperando o solo secar até o fim, você estimulará o desenvolvimento das raízes à procura de água. Mais raízes = planta maior e mais forte = mais e melhores "camarões".

Provavelmente o erro mais comum entre iniciantes é "afogar" a planta. Regando em excesso causará à planta um crescimento pobre e se continuado pode levar ao apodrecimento da raiz e morte. Tome cuidado se você está começando com um pote muito grande. Ao regar em excesso um planta pequena em um pote grande, ela não conseguirá absorver toda a água, o solo poderá parecer seco na superfície, porém no fundo pode estar se formando lama, levando ao apodrecimento da raiz. Uma planta que não é regada o suficiente é muito mais saudável do que uma regada em excesso. Também é mais difícil recuperar uma planta "afogada" do que uma com "sede".

Como regra deve se usar 2 cm de cascalho ou outra mistura apropriada de alta drenagem, no fundo para evitar o afogamento da planta. É recomendável que se coloque um ventilador em cima da planta assim que ela sair do solo, isso simula o vento e estimula o fortalecimento do caule levando a uma planta mais vigorosa que aguentará o seu próprio peso no período de florescimento. Caules grandes e fortes = planta grande e forte = mais e melhores "camarões".

A temperatura poderá ficar entre 21 e 30 graus Celsius sem danificar a planta. Para o solo, o Ph deverá variar entre 6.3 e 6.8, geralmente. A humidade relativa deverá ficar por volta de 60% no período vegetativo. Durante este período alimente sua planta com um fertilizante rico em Nitrogênio (N). Existem vários produtos ricos em Nitrogênio, comece utilizando ¼ da dosagem recomendada pelo fabricante aumentando gradativamente na medida que a planta responde ao crescimento. Entupir de fertilizante não fará a planta crescer mais rápido e sim poderá queimá-la. Procure fertilizantes com uma taxa de NPK de 2-1-1. NPK é o padrão em embalagens de fertilizante com a taxa dos três maiores nutrientes necessários à planta: Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K). Para esse período da planta procure um fertilizante com o dobro de N em relação a P e K. Assim que a sua planta chegar por volta dos 30 cm ou 4 a 6 semanas de idade, você poderá começar a notar a alternância de folhas dos nós (junção dos galhos e o caule). Quando os galhos superiores começarem a alternar é um sinal que a planta atingiu a maturidade e está pronta para o florescimento.

Se você optou por deixar a planta no ciclo 24/7, deixe a planta crescer pelo tempo que você desejar. Uma planta costuma duplicar, triplicar e até quadruplicar de tamanho no período de florescimento. Sativas costumam quadruplicar enquanto Indicas geralmente duplicam de tamanho. Algumas espécies de marijuana precisam de 8 semanas de crescimento vegetativo. Sua altura, colheita e potência dependerão do tipo e da forma de crescimento. Como o nosso objetvo é a flor ou "camarão", evite criar muitas plantas ao mesmo tempo, a não ser que você tenha luz suficiente para todas elas. Dessa forma elas não ficarão com caules alongados e "camarões" somente na parte superior.

Lembre-se, você só pode conseguir flor ou "camarão" de uma planta fêmea, então mantenha seu foco nas "minas". Para poder descobrir o sexo da planta, consiga um timer e coloque as luzes em um ciclo de 12 horas ligadas e 12 horas apagadas. Utilizando um timer é muito mais simples controlar o ciclo do que manualmente, além de mais preciso. Assegure-se de que sua planta receba 12 horas completas de escuridão nesse estágio. Qualquer interrupção poderá adiar o descobrimento do sexo por dias ou até semanas e afetar a sua produção severamente. O período de florescimento pode levar de 2 a 3 meses.

Durante o período de florescimento, sua planta necessita de nutrientes com alto teor de Fósforo (P). Existem vários produtos com alto teor de P, geralmente comece diluindo ½ da dosagem recomendada pelo fabricante. A humidade relativa ideal é entre 40 e 55% para esse estágio.

Por volta de 14 dias no ciclo 12/12, você pode começar a procurar por pequenos pistilos ou "pêlos" brancos (indicativo de fêmea) ou pequenas bolas (indicativo de macho) crescendo na base de cada nó. Os pistilos crescem até 0,5 cm, sendo facilmente visíveis, aparecendo aos pares um de cada lado do nó. As bolas crescem também na base de cada galho, aos grupos, parecendo pequenas cornetas, antes da forma final arredondada. Nas bolas está o pólen. Assim que você identificar um macho, remova-o de sua área, para permitir as fêmeas mais espaço e mais luz. É nesse estágio que se formam os "camarões", e a medida que o tempo passa eles vão aumentando de tamanho e necessitando de mais fertilizante. É altamente recomendável que se pare de usar fertilizantes 2 semanas antes da colheita. Para assegurar que toda a química dos produtos já foi absorvida pela planta. Se uma planta ainda estiver com química no período de colheita, o fumo será muito amargo e áspero na garganta. Para evitar essa aspereza, enxague a planta com água corrente, na medida de 4 vezes a capacidade de seu vaso, 2 semanas antes da colheita. Exemplo: Um vaso de 4 litros pode ser enxaguado com 16 litros de água.

Você pode tentar fumar uma planta macho, ou fazer óleo de haxixe, porém o objetivo principal é a flor ou "camarão" rico em THC e agradável de fumar. Em pouco tempo você estará colhendo sua planta, quando ela atingir o ponto onde o crescimento pára, começando a inchar e amadurecer.


Colheita, Secagem e Cura

A colheita, a secagem e a cura de uma planta de cannabis madura são o clímax da experiência de plantio, e os últimos passos na proclamação da independência do mercado negro.

Veja aqui o video da a colheita da variedade Orange Bud:


Apesar destes serem os últimos passos, são os mais críticos para o produto final. A colheita, por exemplo, dependendo da habilidade do cultivador em julgar a maturidade da planta, pode diminuir ou aumentar decisivamente os níveis de THC, assim como os níveis de CBN e CBD.

A cannabis é colhida quando as flores estão maduras. A melhor indicação de maturidade é a cor dos pistilos das flores. Durante o curso do período de florescimento, esses pistilos começam a morrer e dependendo da espécie da planta, modificam suas cores para tonalidades de marrom, laranja etc. Muitos cultivadores escolhem colher a planta quando 60 a 75% dos pistilos ou "pêlos" mudaram de cor. O tempo ideal de colheita varia de acordo com a espécie de cannabis, então a melhor forma de saber a hora de colher é através da experimentação. Tente colher amostra das flores durante períodos diferentes durante o florescimento (Uma com 6 semanas, outra com 7 semanas, etc) para determinar qual o melhor período de sua escolha.

Quando colhidas antes do tempo, as flores de cannabis contém baixa concentração de CBN e CBD, porém mantendo alta concentração de THC. Para alguns, as flores imaturas são desejáveis por manterem altas doses de THC, provocando uma onda "pra cima" e cerebral.

Quando colhidas em estado mais maduro, os níveis de THC caem e aumentam os níveis de CBN e CBD. Essa flutuação causa uma onda mais introspectiva e chapada. Travado no sofá.

O produto final da planta depende diretamente da sua escolha do período de colheita, nutrientes que você forneceu durante a vida de sua planta, o tempo vegetativo permitido, mistura de solo/solução hidropônica usada, e muitas outra variantes. Tenha em mente que um "camarão" pesa mais quando totalmente maduro e recém colhido. Após a secagem e cura apropriada a média de perda de peso pode chegar a 75% do peso original.

Por impaciência, a maioria dos cultivadores novatos querem colher flores cedo. Tudo bem! Certifique-se, porém, de colher flores do meio pra cima da planta. Permita ao resto, continuar a maturação. Frequentemente o topo da planta atinge a maturidade primeiro, colha isso e permita o término da maturação. Você notará as flores inferiores se tornando maiores e mais resinosas ao atingir a maturidade completa. A produção de um modo geral pode ser aumentada dessa forma, ao permitir que os galhos inferiores recebam maior quantidade de luz e por isso mais atenção dos processos químicos internos da planta.

Use uma lente de aumento e tente ver os tricomas entroncados (pequenos cristais de THC sobre a flor). Se a maioria estiver clara, e não marrom, o ápice do buquê floral está próximo. Quando a maioria desses tricomas atingirem uma coloração marrom, os níveis de THC estarão caindo e a flor estará perdendo potencial, declinando rapidamente com a exposição à luz e ao vento. Não colha tarde de mais! Observe as plantas e aprenda o tempo ideal de colheita no ápice da potência floral.

A manicure costuma ser a parte mais tediosa do processo de cultivo. É o ponto onde você remove todo o excesso de folhas e galhos indesejados de suas flores. Pode ser feito de duas formas, com a planta seca ou ainda verde. A manicure verde costuma ser mais limpa, com as folhas ainda húmidas não se faz muita sujeira, enquanto a manicure seca pode virar um chiqueiro.Utilize um par de tesouras ou alicate afiado e limpo para remover o excesso. Comece pelas folhas maiores e movendo gradativamente para as menores, para facilitar o serviço.Algumas pessoas costumam cortar em volta da flor como se estivessem fazendo um corte de cabelo, deixando apenas a "pepita" de THC.

Não seque as flores de cannabis ao sol, esse processo reduz a potência dos "camarões". Seque lentamente suas flores pendurando-as ou deitando-as em uma área ventilada, é só o que é preciso para assegurar uma grande sensação. A Flor é muito mais agradável ao paladar quando secada vagarosamente durante algumas semanas, dependendo da densidade das flores. As mais gordas e pesadas levam mais tempo.

Se você não resistir e a pressa falar mais rápido, você pode secar uma pequena quantidade entre folhas de papel ou saco de papel (Ex: saco de pão) no microondas. Fique de olho para não tostar as bichinhas. Apesar de conveniente, o resultado final será um fumo amargo e áspero de gosto desagradável, já que a clorofila não teve a chance de se transformar em amido e açúcar.

Uma boa indicação de um "camarão" bem seco é o caule. Se você puder envergar um pouco o caule antes dele quebrar, é sinal que a flor está pronta para cura. Essa é outra fase crítica da experiência de cultivo. Uma flor bem curada é muito mais potente do que uma que não foi curada.

Seguindo um processo simples pode se conseguir um ótimo sabor de fumo e uma viagem inesquecível. Jarras de vidro, latas de metal ou Tupperware, além de outros potes podem ser usados para curar suas flores. Coloque as flores propriamente secas no pote de sua escolha e deixe descansando em um lugar fresco e escuro. Remova a tampa do pote diariamente e vire as flores, permitindo que o dióxido de carbono escape. Repita esse processo por cerca de 2 semanas, o até alcançar o gosto e/ou potência desejados.

Veja aqui o video da a colheita da variedade Mazar:



Finalmente, assegure-se de manter as suas flores secas e curadas longe da exposição de calor ou luz. Fazendo isso você terá a garantia de longa vida de sua própria colheita! Boa Sorte!


Plantio ao Ar livre

Para muitos cultivadores, o plantio ao ar livre é o melhor método. Ele produz "camarões" mais potentes e ao contrário do plantio em estufas, você poderá cultivar "monstros" de 4 metros de altura se as condições forem favoráveis. Sendo a cannabis uma planta naturalmente robusta e de crescimento rápido, ela irá prosperar com bastante sol, mas também produzirá satisfatoriamente com apenas 5 horas de sol direto diariamente. Os raios solares, por terem grande penetração, alcançarão tanto a parte superior como a parte inferior da planta, permitindo um crescimento uniforme quando diretamente expostas ao sol.

Da semente à colheita, o plantio ao ar livre pode ser longo, e apesar de muito prazeroso, o cultivador poderá enfrentar vários problemas. Nos 6 meses ou mais que a planta leva para se desenvolver, chuva e vento podem danificar as flores e animais silvestres e insetos podem comer e destruir sua planta completamente. Essas questões devem ser consideradas e o cuidado redobrado para se evitar problemas.

Entre os muitos benefícios do plantio ao ar livre estão: Não precisar se preocupar com conta de luz, orçamento de estufa, exaustores, luzes, regulagem periódica dos ciclo diurno/noturno, etc. Porém os fatores mais importantes a serem levados em consideração são: Segurança, máxima necessidade de luz direta, qualidade do solo da área escolhida e disponibilidade de água. A junção desses fatores ajudará o cultivador a escolher o melhor local para sua área de plantio. Exposição solar é o primeiro fator ao se localizar um lugar, então tente achar um local inóspito onde o sol incida diretamente pelo maior período de tempo. Se for necessária a escolha entre o sol da manhã e o da tarde, já foi provado que o sol da manhã tem maior penetração. A exposição ideal seria entre às 8 da manhã até às 15 horas, embora entre às 10 e 16 horas seja suficiente. Áreas abertas tem maior exposição solar, porém se for em um terreno inclinado, o lado sul terá maior incidência. Tenha em mente que a luz solar em grandes altitudes é mais intensa devido ao ar rarefeito. A exposição Leste/Oeste é benéfica para se conseguir o sol da manhã e da tarde.

Existem muitas precauções que o cultivador deverá tomar para proteger sua colheita de saqueadores e da lei, incluindo podar os galhos para disfarçar o formato característico da planta de cannabis, além de plantar outras espécies em volta, como soja, tomate, bambú, cana de açúcar, etc.

Quando o cultivo estiver longe de sua casa, numa área inóspita, o acesso à água pode ser problemático. Após a escolha do lugar, longe dos olhos curiosos e com sol em abundância, esse deverá ser o próximo fator em consideração. É preciso que haja uma fonte de água por perto ou pelo menos próxima da superfície, já que de outra forma você deverá carregá-la. Água é pesada e regar dessa forma dará muito trabalho, além dos riscos de se andar até as plantas a cada 4-5 dias em pleno verão. O cenário ideal seria canalizar água de uma fonte em um terreno mais acima, e criar um sistema de gotejamento para alimentar suas plantas em um intervalo fixo. Um pouco de engenharia e criatividade pouparão muito trabalho. Você também deverá decidir se irá plantar direto no solo, que é de longe a melhor opção, ou usar vasos grandes. Plantando direto no solo exclui a possibilidade de raízes emaranhadas e a necessidade de transplante. Embora plantar em vasos permita a mudança de lugar caso a segurança de sua colheita esteja ameaçada, também facilitará a vida de eventuais saqueadores. Uma forma de se impedir isso seria enterrando os vasos.

Uma vez tomada a decisão do lugar apropriado, você deverá começar cavando um buraco grande com pelo menos ½ metro de profundidade. Quanto maior melhor, e se você encontrar raízes de árvores, lembre-se de cavar o buraco o mais largo possível. A qualidade do solo deverá ser analisada, muito embora não exista um tipo de solo perfeito para cultivo de cannabis. Diferentes variedades de espécies crescem em diferentes tipos e condições de solo. Seu objetivo será um solo aerado e de boa drenagem, com alta disponibilidade de nutrientes e com Ph médio. Alguns cultivadores procuram manter o Ph entre 6.3 e 6.8. A planta de cannabis cresce de forma pobre em solos muito compactados, com pouca drenagem e Ph extremos. Você poderá melhorar o terreno misturando condicionadores de solo e compostos orgânicos.

Plantas criadas em solo ao ar livre, crescerão muito mais e necessitarão de mais espaço do que plantas de estufa. O espaçamento entre as plantas dependerá da espécie, e também se a planta será podada em seu topo ou não. Plantas podadas no topo crescem com uma base mais ampla, as vezes com o dobro de tamanho de uma planta não podada. Quanto mais espaço disponível entre as plantas, maior será a incidência dos raios solares, por conseguinte o aumento de sua produção.

Veados, Roedores e Insetos

Veados – Costumam ter um olfato aguçado, seis vezes superior aos cachorros. Veados são sensíveis ao cheiro característicos de seus predadores, como pêlos e urina. Coloque uma garrafa com pequenos furos na parte superior, cheia de urina e bolas de algodão, então pendure com fio de nylon no perímetro onde estão suas plantas. Renove a garrafa a cada 3-4 semanas. Outras formas de espantá-los, seria usando fios de cabelo humano amarrados no caule, ovos podres espalhados em volta ou sabonetes de cheiro forte. Esse métodos deverão ser renovados a cada chuva. Um dos métodos mais simples consiste em fazer uma cerca com apenas uma linha de nylon, aproximadamente 1 metro acima do solo, em volta do terreno de suas plantas. Veados temem o que eles sentem mas não podem ver. Cercas em volta das plantas também podem funcionar mas lembre-se que veados conseguem saltar bem alto. Tente combinar 2 ou 3 métodos descritos acima para se certificar de que suas plantas estarão a salvo dos veadinhos....

Assim como veados os roedores temem os mesmos predadores, os métodos de cheiro de pêlos e urina também deverão funcionar contra eles. Porém existem algumas dicas especificas:

Coelhos – Evitam o cheiro de vinagre, por isso use sabugos de milho verde encharcados com vinagre e espalhe em volta do terreno. Os sabugos podem ser reutilizados. Espalhe uma mistura de pimenta do reino, caiena e páprica no solo em volta das plantas, isso assustará os coelhos fuçando sua colheita, porém esse método deverá ser renovado a cada chuva.

Gambás – Cercar a área com uma fronteira horizontal de materiais que os gambás não gostam de andar sobre, tais como plástico preto amassado, jornal, papel alumínio ou tela de galinheiro levemente acima do solo. Prenda-os com tijolos, pedras ou pinos de metal. Vinagre e bolas de naftalina também funcionarão contra eles.

Esquilos – Não serão problema até a fase de florescimento. Para repelir esquilos, misture flocos de naftalina, gesso e pimenta do chile. Espalhe ao redor da área de cultivo.

Ratos e Ratazanas – Essas criaturas podem arruinar totalmente sua colheita se elas entrarem no recipiente onde você guarda o seu produto final e comê-lo. O que os ratos não conseguem comer, eles defecam em cima, arruinando da mesma forma. Folhas de hortelã secas ou frescas são ótimos repelente, além de aromatizar seu produto.

Cães e Gatos – Se você tem uma certa dificuldade em manter o Rex ou o Félix longe do seu cultivo, aqui vão algumas dicas que não farão mal aos seus animais: Tente assustá-los com ratoeiras de cabeça pra baixo no solo. Isso funcionará não apenas com eles, mas com outras criaturas selvagens também. Mistura de pimentas também poderá afastá-los.

Lesmas – Em geral são comuns e podem até destruir suas plantas, não existindo um meio efetivo de se livrar delas. Sapos, rãs e besouros são inimigos naturais das lesmas e serão bem vindos nas redondezas de seu jardim. Barreiras físicas são boas opções, mantenha em volta de seu jardim, cascas de ovo ou serragem. Manter um prato com sal pode ser uma forma de exterminá-las. Ou enrolar um pedaço de arame em forma de espiral na base de sua planta, isso impedirá as lesmas de alcançarem as folhas.

Insetos Comuns – Receita de repelente orgânico que funciona bem com a maioria deles.

Ingredientes:

3 pimentões verdes
2 ou 3 dentes de alho
3/4 Colher de sopa de detergente líquido
3 copos d’água
Bata os pimentões e o alho no liquidificador e coloque o purê em um recipiente de borrifar junto da água e do detergente. Deixe por 24 horas e depois coe o purê. Borrife as plantas infestadas, tomando cuidado para não atingir as folhas.

Pulgões – Bata uma cebola e 2 dentes de alho no liquidificador com água, coe e borrife a planta protegendo as folhas.


Hidroponia

Hidroponia é o método de cultivo sem a utilização de terra, em vez disso utiliza-se um meio de pedrinhas de argila expandida, bloco de lã ou uma mistura de perlita e vermiculita. O tipo de meio escolhido dependerá do tipo de sistema que você escolheu para cultivar suas plantas. Alguns métodos não usam meio nenhum. Existem muitas vantagens em se usar o método hidropônico. Em primeiro lugar, o crescimento é mais rápido, já que está se provendo os elementos exatos que sua planta precisa, em segundo, geralmente as raízes não se embaraçam ao procurar por nutrientes, já que eles são fornecidos diretamente. Como as coisas ocorrem mais rapidamente no cultivo hidropônico, você deverá fazer visitas diárias ao seu jardim para verificar o que está ocorrendo com suas plantas. Olhe, ouça e aprenda.

Como não se utiliza terra, nós devemos fornecer os elementos que a planta precisa, geralmente deve-se usar um alimento hidropônico específico, porém qualquer alimento a base de sais minerais deverá funcionar. Lembre-se de utilizar os nutrientes de acordo com as instruções do fabricante, já que as plantas não irão crescer de forma mais rápida se você alimentá-las em excesso. Os nutrientes são geralmente vendidos como concentrados que deverão ser diluídos em água, nunca coloque-os diretamente nas suas plantas por serem concentrados fortes demais. De um modo geral você deverá enxaguar as suas plantas uma vez por mês para remover o excesso de salinidade que se forma. A medição do Ph é muito importante em sistemas hidropônicos, um aparelho de medição eletrônico se faz necessário para sistema ativos, porém em sistemas passivos, um kit para teste de Ph em aquários, poderá ser uma solução mais barata.

O alvo é manter o Ph entre 5.5 e 6.1 o tempo todo em sistemas hidrôponicos. No período vegetativo procure manter a solução mais ácida em 5.5 e no período de florescimento aumente até ficar entre 5.9 e 6.1, para que a planta absorva todos os nutrientes necessários. Para baixar o Ph deixando a solução mais ácida, use Ácido Fosfórico ou aumente o Ph para uma solução mais alcalina usando Hidróxido de Potássio, disponíveis em lojas de jardinagem ou produtos agropecuários. A concentração de nutrientes é verificada por um medidor de partículas (PPM) disponível em lojas de produtos hidropônicos. Os iniciantes podem simplesmente seguir as instruções do fabricante de sua solução de nutrientes.

Existem dois tipos de Sistemas Hidropônicos, Passivo e Ativo:

Sistemas Passivos - São simples e de mais fácil utilização, além de mais baratos. Você pode adquirir um pote de 4 cm de profundidade, uma mistura de perlita e vermiculita, uma pequena lâmpada fluorescente e você já estará plantando. Algumas pessoas podem cultivar em ambientes externos usando esse método e obter o mesmo tipo de resultado. Métodos passivos de cultura utilizam granulados de perlita e vermiculita como meio ou ainda qualquer outro material do gênero. A planta deverá ser regada manualmente quando a mistura estiver seca 2cm abaixo da superfície. Você poderá testar colocando o dedo e verificando a humidade. Outro método passivo simples, é o sistema de pavios (panos retorcidos), consistindo de um pote colocado sobre uma pequena bandeja de nutrientes, os pavios saindo do fundo do pote até a bandeja, mantendo a mistura húmida e fornecendo nutrientes o tempo todo. Outra opção e uma bacia dentro de outra bacia. Faça buracos no fundo da bacia superior e passe os pavios por eles até tocar os nutrientes na bacia inferior. Coloque uma mistura de perlita e vermiculita na bacia superior e você já estará plantando. A solução, nesse tipo de método, deverá ser trocada a cada 3 ou 4 dias por uma nova solução

Um sistema de bloco de lã simples pode ser feito utilizando-se uma bandeja, como as utilizadas para manter areia para gatos. Corte um bloco de lã ao meio e ponha no meio da bandeja, em seguida encharque-o com uma solução de nutrientes com Ph ajustado para 5.5 e deixe por 24 horas. A vantagem da lã é que pode-se comprar pequenos cubos feitos para plantar sementes, ou preparar clones, e em seguida abrir um buraco no bloco de lã, colocando um cubo dentro, as raízes sairão do cubo e passarão para o bloco. Você precisará fazer um buraco no fundo da bandeja para permitir que o bloco seja drenado, mantendo-o apenas húmido. Para drenar o bloco basta inclinar a bandeja. Lembre-se de enxaguar o bloco de lã com pelo menos 20 litros de água a cada 2 semanas.

Sistemas ativos - São os que utilizam bombas para de um certo modo fazer com que os nutrientes circulem, isso pode ser tão simples quanto um reservatório de 40 litros com nutrientes no fundo, em cima, uma bandeja acomodando 6-7 potes. Um tubo preso à bomba e saindo do fundo do reservatório se conecta à mangueira ou cano que distribui a solução para cada um dos vasos. Um buraco no fundo da bandeja permite que o excesso de solução volte para o reservatório. Todos os sistemas ativos tem boa performance, porém são mais caros no início, a vantagem é que os nutrientes são continua ou periodicamente bombeados e distribuidos às plantas, resultando em crescimento/florescimento rápido. Esses sistemas exigem um maior trabalho diário porém não são difíceis de se dominar com paciência e prática.

Cultura em Água Profunda (Deep Water Culture) é um sistema onde os potes ou cestas são suspensos 2 cm acima do nível da solução de nutrientes, e uma bomba de ar de aquário é colocada no fundo para que as bolhas renovem o ar da solução que alimenta as plantas, enquanto constantemente nutridas o crescimento pode ser extremamente rápido. A versão de alta performance desse sistema se chama Sistema Aeropônico.
Sistemas Aeropônicos costumam ter pequenos potes de 4 cm, furados como cestas e enchidos com argila expandida ou cascalho arredondado, para que as raízes desçam pelos buracos do pote até tubos ou reservatórios opacos, enquanto pequenos aspersores borrifam gotas microscópicas da solução de nutrientes para serem absorvidas pelas plantas. Pode-se comprar pequenas bombas de ar de aquários com mangueiras de plástico para arejar a solução de nutrientes e mantê-las balanceadas. Uma outra opção é usar aquecedores de aquário para manter a água aquecida por volta de 21 graus Celsius.

Não importando o método escolhido para cultivar a planta ou plantas, existem pequenas coisas que nós devemos lembrar sobre hidroponia: O meio utilizado para as plantas nunca deve ser saturado por um período muito longo, isso é especialmente importante em blocos de lã ou potes com perlita/vermiculita, água em excesso pode afogar a planta. Não é preciso superalimentar as plantas para fazer com que elas desenvolvam "camarões" maiores. A planta de Cannabis só absorve o que ela precisa, não podendo ser alimentada à força, excesso de nutrientes só significarão folhas queimadas e saúde fraca. Mantenha suas plantas saudáveis, removendo folhas mortas e prevenindo o surgimento de pragas. Algas verdes poderão surgir no meio escolhido por você, para evitar o inconveniente, cubra o bloco de lã ou os potes e o reservatório com plástico preto para impedir a entrada de luz.


Em breve na seção Técnicas Avançadas, tutoriais de construção de sistemas ativos.


Nutrientes Orgânicos

A primeira razão para se utilizar nutrientes orgânicos em vez de químicos, é porque a chance de se queimar as plantas (superfertilização causando problemas ou morte) é quase zero. Ao alimentar com substâncias orgânicas, a planta só absorverá o que ela necessita, deixando o resto no solo. Adicionalmente, fertilizantes orgânicos são quebrados lentamente por microorganismos do solo, o que assegura um suprimento constante para suas plantas; além disso, ter muitos microorganismos presentes no solo é benéfico para o solo e consequentemente para suas plantas também.

Fertilizantes químicos, por outro lado, são altamente solúveis e geralmente encontrados com uma maior concentração do que fertilizantes orgânicos. Após aplicados no solo, eles são rapidamente absorvidos pelas raízes. Por sua alta concentração, essa ação rápida irá causar uma dosagem tóxica dos nutrientes, se for usado em excesso, levando a problemas ou até a morte da planta. Ainda por cima, fertilizantes químicos deixam resíduos salinos no solo. Se a planta não for enxaguada periodicamente (cada 1-2 meses), esses sais podem se acumular em níveis perigosos para a planta. (Nota – Se o solo não for enxaguado um pouco antes da colheita, o gosto de seu fumo será afetado negativamente.) Finalmente, fertilizantes químicos tem um efeito devastador nos microorganismos do solo, incluindo minhocas.

Além das questões de química do solo e da absorção de nutrientes, existe pouco o que questionar sobre o benefício da utilização de substâncias orgânicas ao meio ambiente, mesmo plantando em estufa. Fertilizantes orgânicos tais como, farinha de osso, emulsão de peixe, esterco, húmus, etc, são renováveis. O petróleo, de onde os fertilizantes químicos são sintetizados, não é.

Para o cultivador ao ar livre, a opção do tipo de fertilizante tem um efeito ainda mais profundo. A chave do sucesso de um plantio bem sucedido e a saúde do solo. Fertilizantes químicos tem um efeito adverso na vida do solo, diminuindo a biodiversidade e a força do solo, e por serem muito mais solúveis do que os orgânicos, são frequentemente enxaguados pela água da chuva ou excesso de água ao regar. Além de serem perigosos para suas plantas, causam problemas de poluição em potencial, por exemplo, as algas tóxicas que surgem em lagos e lagoas são constantemente associadas com fertilizantes químicos que "vazam" para o lençol freático atingindo córregos e nascentes.

Fertilizantes orgânicos também tem o seus senões, especialmente para o cultivo em lugares fechados. Alguns deles, como a emulsão de peixe em particular, tem um odor forte que pode incomodar narizes delicados. (Muito embora, medidas de segurança envolvendo filtro de ar e ionizadores devam manter os cheiros em seus devidos lugares...). Além disso, por desenvolverem a vida orgânica do solo, podem ocorrer problemas com insetos e particularmente fungos. Finalmente, alimentos orgânicos requerem uma maior dedicação de tempo e esforço por parte do usuário. A grande vantagem dos químicos é a praticidade.


Notas sobre alguns fertilizantes orgânicos mais comuns:

Farinha de Sangue: 13 - 0 - 0

Possui uma das maiores concentrações de Nitrogênio de todos os fertilizantes orgânicos, e por isso se constitui na melhor escolha para o crescimento vegetativo. Em sua forma de ação seca e lenta, pode ser misturada ao solo na proporção de 1 a 2 colheres de sopa por 4 litros de solo. Sua versão solúvel é a mais utilizada, por sua ação rápida sem o risco de se queimar as plantas como os fertilizantes químicos. Para fazer o chá de farinha de sangue, deixe uma colher de sopa de molho em 4 litros de água, por 5 ou 7 dias. Quanto mais tempo maior a concentração de N. Agite bem, coe o resíduo sólido, e regue suas plantas.

Farinha de Ossos: 1 - 11 - 0

Por sua alta concentração de fósforo, é mais indicada para o período de florescimento, porem por ser de lenta dissolução, é recomendado que seja adicionado ao solo ainda na fase vegetativa. (Talvez o melhor seja misturar somente no solo do último transplante.) Um dos cuidados com a farinha de ossos, especialmente na Europa, é o medo de contágio da doença da vaca louca. Muito embora ainda não tenha sido provado, vale ter isso em mente.

Emulsão de Peixe: 5 - 1 - 1

É uma solução liquida feita de peixe decomposto e as vezes outros ingredientes. É um fertilizante extremamente gentil e a melhor escolha como o "primeiro fertilizante" para se usar em plantas jovens. Sua taxa de NPK é ideal para o estágio vegetativo. Pode ser diluído em água na proporção de 1 a 3 colheres de sopa por 4 litros de água.

Húmus: 0.5 - 0.5- 0.3

Também conhecido como o bom e velho cocô de minhoca, talvez seja o melhor fertilizante orgânico no cômputo geral. Apesar do baixo nível relativo de nutrientes, húmus por alguma razão tem um excelente efeito no vigor das plantas, tendo seu efeito reconhecido por todos que o utilizam. Por ser bastante gentil, pode ser usado em plantas recém germinadas por também conter micronutrientes. Pode ser misturado ao solo na proporção de 15% do volume total ou feito chá (1 parte de húmus para 5 partes de água.) e aplicado no solo ou fertilizante foliar.

Composto de Algas Marinhas: 1 - 0.5 - 2.5

Fornece cerca de 60 tipos de elementos, além de hormônios de promoção de crescimento e enzimas. É usado para assegurar que a planta está conseguindo os micronutrientes necessários. Pode ser misturado ao solo (1-2 colheres de sopa por 4 litros de água) ou feito chá na mesma proporção.


Guia de Resolução de Problemas - Enfermaria

Os problemas mais comuns são, o excesso de água e de fertilizantes, seguidos de perto por pH incorreto e raízes emaranhadas. Antes que quaisquer tentativas de remediar sejam tomadas, esses fatores deverão ser considerados.


* Deficiência de Nutrientes – Raramente acontecem nos jardins modernos. O que as pessoa vêem como deficiência de nutrientes, 9 em cada 10 vezes é problema de pH. Um pH muito alto ou muito baixo trava a capacidade da planta de absorver os nutrientes, por isso elas aparentam estar deficientes, quando na verdade existem nutrientes em quantidade mais do que suficientes na solução/solo. Adicionar nutrientes só piora a situação, desregulando o pH ainda mais e aumentando a quantidade de partículas no meio.
Solução - O melhor a fazer, caso seja detectada qualquer forma de deficiência de nutrientes, é medir e ajustar o pH.


* Excesso de Água – Sinais de excesso de água incluem: Folhas murchas, curvadas e amarelando. Também uma boa indicação é o constante cheiro de terra molhada em sua estufa/jardim.
Solução – Aumente a temperatura e o fluxo de ar para evaporar o excesso de água. Você pode também adicionar h2O2 (Água Oxigenada) para ajudar as raízes a receberem oxigenação. Apenas não regue em excesso, somente quando o solo/meio estiver seco. Se o seu solo estiver encharcado, transplante sua planta para um novo vaso com solo seco e fresco.


* Excesso de Fertilizante – Sinais de excesso de fertilizante incluem: Folhas queimadas/ mortas nas pontas/laterais e curvadas para baixo.
Solução – Verifique e ajuste para o pH desejado. Enxágue e diminua o nível de fertilizante/nutrientes.


* pH Incorreto – Problemas com pH podem se manifestar de diferentes formas, desde deficiência de nutrientes até excesso de fertilizante e folhas queimadas.
Solução – A única forma de saber é medindo e ajustando o nível do pH.


* Raízes Emaranhadas – Veja abaixo na seção Problemas com Raízes


* Estresse por Calor – Sinais de estresse por calor se assemelham muito a queimaduras por nutrientes, exceto que elas ocorrem no topo da planta, próxima das lâmpadas. O amarelar das folhas superiores é causado normalmente por proximidade das lâmpadas HID.
Solução – Uma forma de saber se as suas plantas estão muito próximas é colocar as costas da mão entre elas e a lâmpada, por alguns minutos. Se você sentir uma sensação de desconforto é porque elas estão muito próximas e a lâmpada deverá ser ligeiramente afastada.



Problemas nas Folhas

* Amarelar - Acontece por falta de clorofila. Possíveis causas podem ser, drenagem insuficiente do solo, raízes danificadas, raízes compactadas, alta alcalinidade e deficiência de nutrientes.
Solução – Mais uma vez lembre-se de checar o pH.**Nota – Nas últimas semanas de florescimento um amarelar nas folhas é completamente normal, pois a planta usa todos os nutrientes estocados.


* Amarelar nas Folhas Inferiores e Medianas – Esse amarelar nas folhas mais antigas é possivelmente um sinal de deficiência de Nitrogênio (N). Como esse é um nutriente transferível (quer dizer que a planta pode movê-lo quando necessário), se uma planta não está recebendo Nitrogênio suficiente das raízes então ele será "roubado" das folhas mais antigas. Plantas com deficiência de Nitrogênio geralmente demonstram falta de vigor e crescimento pobre, resultando numa planta fraca e atrofiada. Em Sistemas Hidropônicos normalmente o pH está muito alto travando a absorção do Nitrogênio disponível na solução. Em solo, amarelar também pode ser indicação de raízes emaranhadas.
Solução – Primeiro verifique e ajuste o pH. O pH correto para a cannabis é 6.3 – 6.8 quando em solo e 5.5 – 6.1 quando em Sistema Hidropônico. Segundo, certifique-se de estar fornecendo a quantidade/tipo correto de fertilizante/nutriente. Para o estágio vegetativo a cannabis precisa de um alimento rico em Nitrogênio, na taxa NPK de 2-1-1 ou (20-10-10)



* Amarelar nas Folhas Superiores – O amarelar nas folhas novas pode ser um sinal de deficiência de Enxofre (S). Essa deficiência é bastante rara mas começa com o amarelar de uma folha nova por inteiro, incluindo as veias. Outros sinais são, raízes alongadas, galhos rígidos e a ponta das folhas enroladas pra baixo. **Nota – Na maioria dos caso o amarelar nas folhas superiores e causado por proximidade das lâmpadas.
Solução – Verifique e ajuste o Ph, além do nível de fertilizante/nutriente para se certificar de estar fornecendo o tipo/quantidade corretos para o seu estágio de crescimento. Faça o teste da mão e veja se está muito quente.



* Folhas Enrolando pra cima – Pode ser sinal de deficiência de Magnésio (Mg) causada por um nível de pH baixo. A falta de Magnésio pode ainda gerar amarelamento (com posterior escurecimento e folhas secas) e amarelamento entre as veias, começando nas pontas das folhas mais antigas e progredindo para o centro. Pode ser também um sinal de excesso de calor e humidade dentro da estufa.
Solução – Verifique e ajuste o pH, já que fora do nível ideal a planta de marijuana perde a capacidade de absorver os elementos essenciais requeridos para um crescimento saudável. Se você estiver cultivando em solo, o Magnésio começará a ser travado com um pH de 6.5 ou inferior, em hidroponia começa com 5.8 ou inferior. Se o pH for o correto, então adicione ¼ de colher de chá de Sulfato de Magnésio Heptahidratado (Epsom Salt) por litro de água. Ou para nutrição foliar, dilua a dose anterior com 2 partes de água e borrife periodicamente nas folhas. **Nota – Se a água da torneira tiver acima de 200 PPM o Magnésio será travad por excesso de cálcio (Ca) na água. Magnésio pode ser travado por excesso de Ca, de Cloro (Cl) ou Nitrogênio Amoníaco (NH4+). Se esse for o seu problema use água mineral.



* Folhas Enrolando pra baixo
– Quando isso ocorre, associado com pontas e margens queimadas é costumeiramente um sinal de que o nível de nutrientes está alto demais.
Solução – Verifique e ajuste o pH. Enxague e diminua o nível de nutrientes.



* Folhas Murchando – Geralmente ocorre por excesso/falta de água ou pouca luz.
Solução – Quando em solo, primeiro coloque o dedo ou um medidor de humidade alguns centímetros abaixo do solo e verifique se está seco ou húmido. Se excesso de água for o seu problema, aumente a temperatura e a circulação de ar em sua estufa para evaporar um pouco do excesso. Adicione h2o2 (Água Oxigenada) diluída em água.**Aviso! – Excesso de água crônico pode levar a raízes podres/estagnadas e solo enlameado. Caso você detecte esse problema, transplante para um vaso novo com terra fresca e seca. Em Sistemas Hidropônicos, verifique se o meio está húmido ou seco, antes de adicionar água ou ligar a bomba. Se o meio ainda estiver muito húmido, ou muito seco, você precisará verificar seu jardim com mais frequência para checar a disponibilidade de água em seu sistema. Por último, se falta de luz for seu problema, adicione mais luz.


Problemas com Raízes

* Raízes Emaranhadas – Isso ocorre quando as raízes crescem mais do que o pote em que elas estão contidas. Plantas cujas raízes estão emaranhadas exibem um crescimento atrofiado, fino, lento e com produção de "camarões" pequenos, folhas murchas facilmente queimadas por nutrientes, necessitando de água constantemente. O amarelar das folhas antigas progressivamente subindo até que todas as folhas sequem e morram, é um sinal significativo desse problema.
Solução – Transplante imediato para um vaso maior. A receita de bolo é, 4 litros de solo para cada 30 cm de altura, exceto em clones que podem utilizar uma medida menor. Ao delicamente retirar a massa de raízes, inspecione e veja se as raízes formam um círculo fechado em volta da massa, em caso positivo, tente muito gentilmente desprender essas raízes da massa de terra. Se as raízes estiverem muito emaranhadas então você poderá cortar algumas fatias de 1 cm em torno da massa com um instrumento afiado e esterilizado, antes de colocar a planta em seu novo vaso. **Nota – Não compacte o novo solo no fundo do novo pote, deixe-o aerado porém ser bolsas de ar, para que as raízes penetrem facilmente.


* Raízes Atrofiadas – Ou crescimento lento ou nenhum de novas folhas podem ser devido a deficiência de cálcio (Ca), intoxicação por Alumínio (Al), Cobre (Cu), pH Ácido ou tóxinas no solo.
Solução – Como sempre, verifique e ajuste o pH. Se houver qualquer tipo de intoxicação do solo, então você precisará enxaguá-lo completamente.



Problemas nos Galhos

* Quebra de Galho ou Caule – Isso poderá ocorrer mais cedo ou mais tarde com qualquer um. Isso pode ocorrer por tentativa de treinar a planta, animais derrubando vasos ou refletores caindo em cima, etc Não importa como aconteceu, só não há motivo para pânico.
Solução – Consertar não é problema, faça talas com palitos de sorvete e prenda com fita crepe ou esparadrapo. Um canudo do Mc Donald’s cortado ao longo pode ser um ótimo método de "engessar" o caule/galho. Dê uma semana para que a planta se recupere e volte a crescer.

29 comments:

  1. Boas, gostaria de falar consigo sobre o site. mas nao tem aqui contacto

    ReplyDelete
  2. Boas, o email de contato eh: plantarmaconha(at)gmail.com

    vlw

    ReplyDelete
  3. como posso falar consigo tem algum mail?

    ReplyDelete
  4. Os segredos para se ter um cultivo de maconha perfeito são apenas 3. 1- Dedicação total
    2- Manter Segredo
    3- Paciência
    A dedicação deve ser absoluta, porém as pessoas normalmente apenas começam a ter real interesse em estudar sobre o cultivo, quando vê uma planta linda que ele sabe que irá render frutos, mas pense bem, se você estudar bastante desde o início, você conseguirá chegar a este nível mais facilmente. Falo isso porque as pessoas não dão importância a coisas mínimas, que muitas vezes fazem toda a diferença lá na frente. Coisas como montar um solo de qualidade, regular o PH da água que se rega as plantar, coisas simples e básicas, que requerem um investimento inicial, mas que depois irão te recompensar totalmente.
    Pegar uma terra qualquer e juntar em um vaso e colocar uma semente qualquer lá dentro não vai ter trazer a melhor maconha possível, até pode render alguns baseados, mas se você quer realmente algo diferente, refinado você deve tomar esses cuidados.
    Preparar um solo de maneira com que ele fique bem aerado, onde a planta possa absorver oxigênio facilmente pelas raízes, e que tenha uma boa drenagem no vaso, para não haver retenção de água e acabar apodrecendo a raíz. Para isso você precisa apenas buscar por alguns produtos, como pó de coco e perlita expandida. Meu conselho é de colocar 60% do conteúdo do vaso de uma mistura desses dois produtos, que irão garantir assim um solo ideal para a maconha, os outros 40% devem ser constituídos por uma mistura de terra vegetal boa e húmus de minhoca, com umas pitadas poucas de calcário dolomítico e farinha de ossos talvez, isso para garantir nutrientes básicos para o desenvolvimento da planta, mas caso falte algum, pode ser complementado com fertilizações periódicas.
    O outro fator mais importante além do solo, é a semente que se está plantando, é óbvio que uma semente de maconha com genética controlada por especialistas, irá garantir melhor resultado, porém se não está pronto para esse investimento, procure por uma sementes de algum fumo natural, de camarão, para que não esteja infectada com amônia e outras substâncias nocivas para ela, o que já seria o bastante para comprometer a qualidade da planta no futuro.
    Fora isso, manter-se em segredo com sua plantação é primordial, principalmente no Brasil onde a maconha ainda é ilegal.
    A paciência é o último ingrediente dessa receita, pois sem ela você provavelmente irá achar que o desenvolvimento da planta está lento, e acabar colocando muitos aditivos que podem matar a sua planta de maconha.

    ReplyDelete
  5. Bons e ótimos post. Parabéns pelos artigos.

    ReplyDelete
  6. This comment has been removed by a blog administrator.

    ReplyDelete
  7. O Alguem ai que MANJA do BAGUIO me ajuda aqui?
    To com uma muda de 3 meses e meio e nao tem nenhum PELO BRANCO ( indicatico de femea ) e tbm nao tem nenhuma bola ( indicativo de macho) tem Apenas 3 pelos VERDES em cada Nó, sendo um deles maior, e os outros dois sao pequenos... Seria um MACHO ou uma FEMEA ??

    ReplyDelete
    Replies
    1. se esses pelos (q eu conheço como pestilios) estiverem nas juntas da planta apontando pra cima, mesmo que pequeno eu acho q é femea cara..

      Delete
    2. coloque lampada hps com um timer 12/12 em dois dias vc sabera o sexo

      Delete
  8. tem uma baba branca nas belotas da sensi star que estou cultivando, se alguem poder me ajuadar fico grato demais

    ReplyDelete
  9. Sou de SC e o tempo aqui varia muito, as vezes e muito seco e as vezes umido. Coloquei hoje uma semente para germinar porem devido ao clima e a inexperiencia nao sei qual lampada uso para começar minha pequena plantaçao.

    ReplyDelete
    Replies
    1. This comment has been removed by a blog administrator.

      Delete
  10. This comment has been removed by a blog administrator.

    ReplyDelete
  11. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  12. Boas... Eu tou com um problemazito na minnha menina reparei que comecei a ganhar um bixinho muito pequenino e tame a mata la comecando pelas folhas principais pasando pelos brotos e deixa o genero duma teia com uns ovinhos penso... Tou desesperando alguem seria capaz de me ajudar??

    ReplyDelete
    Replies
    1. This comment has been removed by a blog administrator.

      Delete
  13. Preciso de uma dica, um dos pés que cultivo esta com muitos camarões e flores, hoje notei umas bolas pretas que parece uma parasita oca nos caules e também
    na unção onde sai as folhas, ate o momento não notei nada na planta e qndo tirei as bolas estas são muito viscosa. Agradeço se alguem puder me ajuddar.

    ReplyDelete
  14. Muito útil esse post cara, parabéns.
    Queria saber se alguém poderia me ajudar com dicas sobre pc grow box, estou pesquisando bastante sobre o assunte e me parece ser o mais viável para mim, desde já agradeço.

    ReplyDelete
  15. Ola, eu estou criando uma cannabis em minha casa, o problema é não temos muitos remedios ou fertilizantes no nosso mercado, então decidi fazer o seguinte: eu inseri estreco de cabra que contem muitos nutrientes e vitaminas e tambem utilizo uma boa terra o seu cultivo. o meu plantio ja tem 5 meses e ja está na parte da floração só que chegou o momento em que as folhas estão queimando nas pontas e o desenvolvimento dela está diminuindo. eu não deixo tomar sol directamente, só a clareza. o que é que eu faço, depois de 6ª tentativa é a primeira vez que consigo obter uma femea????

    ReplyDelete
  16. Boas gostaria qe me ajudacem eu tenho as minhas plantas numa grow tent ms as folhas estao a queimar e algumas teem pintas pretas se m podecem dar uma ajuda agradecia

    ReplyDelete
  17. Eai rapaziada e o seguinte. Tenho pouco espaco e mtas mudas. Sera que poderia colocar 4 plantas em um vaso de 18 litros?Valeu

    ReplyDelete
    Replies
    1. nunca colocar mais de uma semente/planta por cada vazo.

      Delete
  18. Pow cm um pezinho lindo mais ta dando umas pintinhas brancas nas folhas oque pode ser ??

    ReplyDelete
  19. This comment has been removed by a blog administrator.

    ReplyDelete
  20. Help plz aguem meu vaso caiu no chão quebrou minha mae ajunto e colocou junto com outras plantas ja estava fechada a floricultura n deu pra compra terra e outro vaso e a minha planta murchou total mais ela tm um monte de brotos botei ela em uma vasilha com agua filtrada ate consegui salva-la alguem sabe me diser o q faser se ainda posso ter esperancas ela tm 6meses e agora q eu faço??

    ReplyDelete
  21. adrei as dikas quero podar pra desfarcar dos vizinhus algum ideia

    ReplyDelete
  22. olá a todos, alguém sabe dizer quantos gramas ou kg rende em 30 pés, digamos que sejam plantas bem cuidadas tudo como manda o figurino. Alguém aí tem uma noção?

    ReplyDelete
  23. boas a todos eu queria tirar uma duvida se me puderem ajudar eu agradeço: eu fiz o transplante de um vaso para o outro e entretanto eu nao consegui por a planta intacta no outro vaso, porque um pouco da raiz do fundo do vaso ficou e eu queria saber se isso vai danificar a planta? a planta e daquelas autoflorescente.
    ajudem me pfavor

    ReplyDelete
  24. fiz uma grande besteira.....confundi pistilos machos com femeas,......e acabei cortando as femeas....pois na verdade a planta sempre foi femea.......nunca brotou nenhum pistilo macho.....so que acabei cortando, como ja disse,,,e agora ki eu faço?????? a planta tein uns 40 cm de altura!!! por favor alguem ajuda!!!??? falew

    ReplyDelete